Essa é a minha praia

A linguagem é provavelmente a marca mais notória da cultura. As trocas simbólicas permitem a comunicação, geram relações sociais, mantêm ou interrompem essas relações, possibilitam o pensamento abstrato e os conceitos. Quando, em uma entrevista, perguntou-se a Umberto Eco as razões para o título de sua obra, O nome da rosa, ele respondeu que certo monge medieval dissera que mesmo não havendo mais uma rosa, ou certa rosa, ou rosa alguma, pela linguagem é que podemos dizer “não há mais a rosa” (nulla rosa est). Sem linguagem, não há acesso à realidade. Sem linguagem, não há pensamento.”

(Inês Lacerda Araújo, Do signo ao discurso: introdução à filosofia da linguagem, ed. Parábola)

*********************************************

Um trechinho tão curto, vejam vocês, e nele se encerram polêmicas que tem animado debates por séculos. É nesse angu de caroço que eu tô tentando meter a minha humilde colher. É nessa arena onde ninguém se entende que eu quero dar a minha pequenina contribuição. [Às vezes uma voz grita aqui dentro: “Se joga, babe!”. Outras vezes, ela diz: “Ihhh, mona, essa não vai dar procê. É muita areia pro seu caminhão.” Eu ando acreditando mais na primeira, mas o cansaço é tanto que às vezes eu acho mesmo que não vai dar. Mas vamo que vamo, né, Su? Você agora é a minha inspiração. Bjs!]

Advertisements

5 Comments

Filed under Uncategorized

5 responses to “Essa é a minha praia

  1. arthur

    Lembrei de você lendo a Scientific American deste mês e este trecho tem mais ou menos a ver com a lembrança. A revista é uma edição em comemoração a Darwin e em uma das matérias eles debatem algumas características que alguns psicólogos acreditam serem moldados biologicamente pela evolução e os autores do artigo discordam veementemente. Me parece que a opinião deles seria similar a sua pelas conversas que tivemos. Se tiver um 5 minutinhos para ler (isso considerando que você consiga a revista) acho poderíamos debater essas idéias. O artigo tem o título “Evolução expressa no Cotidiano”.

  2. hum, entre se jogar e achar q não é ‘capaz’ eu prefiro [teoricamente, pq na prática mesmo nunca me jogo] a primeira, pq só tem duas coisas q podem acontecer: dar certo ou não… 😉
    beijos

  3. monica

    Oi,
    teu caminhão aguenta muita areia, se joga babe!
    Bjs,
    Mônica

  4. aaaahhhh, thur! quero muito ler isso, muito mesmo. vou procurar.

    ju e monica: tô me jogando, tô me jogando, só espero não dar com a cara na parede, 🙂

    bisous

  5. tenho certeza q não vai dar…. 😉
    beijos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s