Cartinha

“Mor: tenho que te contar uma coisa. Uma coisa assim, bem boba. Eu roubei, sabe. É, roubei aquela tua camisa. Não, não é uma ‘camisa’, com C maiúsculo. É aquela tua camiseta de dormir; aquela branquinha, bem vagabundinha que nem marca tem. Você deixou ali em cima da cama daquele hotel onde a gente ficou semana passada e foi tomar banho. Aí eu vi e coloquei na mala sem falar pra você.

Claro, se eu tivesse pedido, você teria me dado. Mas aí ela não teria esse valor que tem agora, nesse momento em que a coloco em cima da minha pele nua. Só ela e mais nada. A malha é fininha, mas a textura é boa, é delicada e me faz um carinho gostoso. O que eu mais gosto nela é o cheiro. O teu cheiro é bem suave, lembra alguém que acabou de sair do banho, mas não é igual ao cheiro de sabonete. É o mesmo cheiro que eu encontro ali na tua nuca, ou então perto das têmporas. Um cheiro que é só teu.

Nisso somos bem parecidos. Você me diz que gosta do meu hálito e que eu sou toda cheirosa. E eu também penso a mesma coisa de você. Sempre achei que olfatos deveriam – sim – ter afinidades. Eu quase não uso perfumes, porque, afinal, já existem o sabonete, o desodorante, o hidratante, tanta coisa pra desviar a atenção do cheiro da pele da gente. Então deixo o perfume meio de lado. Sei que você faz o mesmo, e acho isso uma coincidência das melhores. Mais importante até – eu diria – do que ter a mesma visão política.

Então ontem, quando você estava longe voando por aí (aliás, por que você tem que voar tanto?) e o friozim que se abateu sobre a cidade convidava a uma roupinha de dormir mais aconchegante, eu lembrei de tirar a camiseta sem marca e sem nome do armário. Ela me levou tão longe que eu quase – oh, pecado dos pecados – esqueço da tese. O único problema agora é que meu cheiro se misturou com o teu e meu olfato já não te encontra com tanta facilidade.

Mas isso não importa. Definitivamente, a tua camiseta é a minha madeleine.”

*******************************************************

Esse texto é ficcional. As coisas contadas nele aconteceram  de maneira ligeiramente diferente. E ele ainda nem foi mostrado a quem de direito. Mas eu acho que deveria ser.

Advertisements

7 Comments

Filed under Uncategorized

7 responses to “Cartinha

  1. Renata

    Vc é mt fofa.

  2. q lindo.
    eu acho q deve mostrar…
    [ah, e ‘devolve’ a camiseta, só pra ela pegar o cheirinho de novo]
    bjs

  3. hum… namo já fez isso comigo…
    só que até agora foram uma cueca, duas camisas e um casaco… 🙂

  4. Taís

    Que bonito, Cris!

  5. F., você vai ficar sem guarda-roupa daqui a pouco, hehehehehe.

    Tata: *smack*!

    bjs

  6. Eu não pego as camisas, mas sim os livros. É gostos ver os grifos no texto, as notinhas espremidas no canto da página, os post its coloridos e até listinhas de supermercado.
    Adorei seu texto. Mostra logo pra ele 😉

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s