Veni vidi vinci

[esse era pra ser um daqueles textos com tintas épicas, mas eu ando tão cansada e sem saco, então vou contar o resumo da ópera pros meus amigos que vêm aqui]

*****************************************

Seguinte: fui lá, me joguei aos leões e descobri que eles eram bem mansinhos. Isso quer dizer, queridos, que a minha defesa foi ótima em todos os sentidos. Nem em meus melhores sonhos o cenário poderia ter sido tão favorável. Fiquei bem apavorada nas semanas anteriores, somatizei tudo e descobri, tardiamente, que sofri à toa.

Meu trabalho foi muito elogiado – e eu, juro, nem esperava tanto. Claro que eu sabia das qualidades dele, mas foquei nos defeitos e achei que as críticas seriam bem contundentes. Não foram. Acho que, mais uma vez, eu fui rigorosa demais comigo mesma. Uma das professoras [da UFRJ] – a que mais me tirou o sono, porque todo mundo falava: “Mas por que colocaram a fulana na tua banca, porquê???” – foi a pessoa que fez os melhores comentários [e eu, idiota, olhava pros lados, pra ver se era comigo mesmo que ela falava, kkkkk].

Claro que nem tudo foram elogios. Existem pequenas coisas a serem revistas, alguns problemas por conta da nova ortografia, duas ou três frases que precisam ser reescritas para desfazer ambiguidades, datas que precisam ser acrescentadas na biblografia e alguns pontos teóricos mesmo. Um deles referente à metodologia em si e o outro que nem o próprio professor da banca conseguiu resolver e que diz respeito a diferentes significados de um termo………………………………….. em alemão, rs.

As minhas orientadoras foram fofas demais, pacientes e bastante precisas. Se houve problemas, devo isso à minha histeria e ansiedade e ao fato de não acreditar muito no meu ‘taco’. Muitas vezes pensei: ‘Será que elas estão dizendo isso pra me agradar?’ – claro que não, né, boba. É difícil ter ‘visão de sobrevôo’ [para usar as palavras de Wittgenstein] e ter clareza suficiente para apreciar o cenário como ele deve ser apreciado. Que isso me sirva de lição para a vida. Mais do que uma defesa, eu passei por uma prova que vai me acompanhar pela vida afora. O que eu aprendi, não vou contar a vocês, mas – como eu coloquei nas minhas considerações finais – escrever esse trabalho foi altamente terapêutico: foi uma terapia pela palavra, como eu acho que deve ser.

Então, é isso: virei doutora, mas tudo continua igual. A ficha não caiu ainda, acho. Tenho poucas ideias acerca do que fazer agora. Tenho meus livros para ler, preciso fazer um inventário dos meus CDs [algo que eu deveria ter feito desde a minha segunda separação], pois não sei o que tenho e fico louca quando quero uma música [no meu mundo não existem programas para se baixar música, ok?], preciso tomar vergonha na cara  e perder uns 4 quilos. Coisas assim. Não vou mentir e dizer que não penso num pós-doc, mas isso é coisa pra daqui a uns dois, três anos – e vai ser em outro país, porque eu preciso ter a experiência de morar um tempo fora.

Podem me mandar convites, queridos. Aceito todos, de aniversário de cachorro à micareta [mentira; micareta não!]. Agora vou ali viver um pouco a minha vida nova. O sol me chama, o tempo urge e eu ainda tenho muito o que descobrir. Beijos.

Advertisements

37 Comments

Filed under Uncategorized

37 responses to “Veni vidi vinci

  1. Arthur

    Parabéns !!!!!!!! E eu ainda brigando com os meus resultados para eles se adequarem a experiência, nem comecei a escrever a maldita.

    Mas pelas barbas de Odin, não faça essa loucura de pós-doc, esse é um mal para os pobres mortais que ainda não tem emprego, e em algum casos um pré-requisito velado para um, mas vc já tem um, relaxe muié.

  2. mari

    se vc soubesse como fiquei contente com isso, parece até que eu *ganhei*/*conquistei* alguma coisa também!

  3. Edu

    Aaaaah, meu bebê cresceu e já é uma mocinha! Doutora!!! Não poderia estar mais orgulhoso. Beijos, linda! E cada vez que se olhar no espelho e não se achar ABSOLUTA eu vou te mandar um link pra este post aqui!

  4. Edu

    Ops, errei o email no comentário acima. Misturei um com outro! É a emoção! 😀

  5. Criiis! Eu e a Lu estamos muito felizes por vc, Doutora. Muitas saudades.

  6. L

    Mas bah!
    Parabéns!
    A ficha de ser doutora pode não ter caído, mas a ficha de como é bom não ter mais tese pra escrever já deve ter caído, não é?
    Dá pra ver na tua empolgação de curtir a vida lá fora, o sol e os amigos.
    🙂
    Bjs,
    L.

  7. Su

    Cris, a tua empolgação e alegria está sendo sentida neste lado do país. Que coisa boa, que sentimento legal que bate na gente também!! Parabéns, querida. Você merece. Ah, e eu dou o maior apoio pra um pós-doc… de preferência numa cidade bem charmosa, pra gente ter a desculpa de ir visitar os amigos e não precisar pagar hotel! 😀
    Beijos e mais beijos.

  8. mazááaaaaaaaaaaaaaaaa, dotôra.
    daqui pra frente é só pensar e fazer besteira.
    *
    *
    a ficha vai cair quando o salário aumentar ou quando te perguntarem nos cadastros de net ou telefone (ou coisa que o valha) qual o teu grau de instrução, escreve aí. poderia dizer mil coisas mais poéticas sobre o momento, mas a vida de verdade não é tão assim e assado quanto a novela das oito ou os livros do século passado. então o que digo é que tu tá podendo e que, a partir de agora, na terra dos cegos tu tem um olho. é rainha.
    te amo.

  9. thur, eu quero fazer pós-doc, mas com outro espírito. justamente por conta disso que você falou: eu já tenho meu emprego, o plano de carreira para doutores na minha instituição é idêntico ao das unis federais, mas eu gostaria de me aprofundar em algumas coisas. como eu disse, isso são planos, sonhos e acredito que, na hora certa, eles se concretizarão. ou não, rs. bjs!

  10. mari, querida, considere essa vitória toda tua. sei do quanto você torceu por mim e, também por isso, teu nome está lá na página de agradecimentos. venha, venha em dezembro pra gente se ‘acabá’ em salvador, rs. beijos!!!

  11. hahahahaha, edu, xuro que eu ainda não me sinto assim ‘absoluta’, mas se eu subir num salto agulha e botar uma roupa luxo-poder-e-glória vou ficar insuportável, hohohohoho [já te falei da minha festa de aniversário em sp? vai ser em algum lugar enfumaçado e suspeito, lá pelos lados da augusta. bas fond: aqui vou eu \o/] bjs

  12. ronzi, o que eu disse pro edu vale pra você e para a lu: meu aniversário, dia 10 de outubro em sampa!! quero vocês lá pra gente comemorar essa. bjs

  13. L., eu já estou curtindo muito a minha liberdade. a minha vida já era boa sem isso; imagina agora. bjs pra você, lindão.

  14. su, eu vou escolher um lugarzinho bem sussa e vocês podem ir me visitar, que tal, 😉 obrigada de novo, flor. bjs

  15. dita, lôra da minha vida, mãe do theo, agora já posso te dar casa, comida e roupa lavada. casa comigo? [tá, tu pode trazer aquele teu marido barbudo, a gente faz uma planilha pra ter você em dias alternados, e tu bem sabes que eu não sou ciumenta]. tu não precisa mais fazer nada nessa vida, vou me meter nuns projetos por aí e a gente vai ter grana suficiente pros cremes vichy e os vestidos maria bonita extra, que tal? topas? kkkkkkkkk. beijos, te amo.

  16. Hellen

    Parabéns, parabéns. Quem sabe agora não sai aquele almoço que vc tanto me promete desde a primeira vez que fomos tomar chá no CCBB (bem chique, bem tuda!). rsrsrsrs…

    Bjs.

  17. Zé Pequeno

    Pouca merda não, heim?!?! 😉

  18. Marcola

    Well done, sweetheart.

  19. Parabéns, Cris!

    Gosto muito mais de vc agora, assim, com título de nobreza. Vê se fica online pra gente falar daqueles assuntos sérios tipo a origem da coceira no rabo do pato.

    #meliga

  20. dufas

    Parabéns, Cris! Celebre bastante essa conquista, vc merece. Muito bom saber do seu sucesso, mesmo daqui do ciberespaço, esse lugar pertolonge em que a gente se alegra pela vitória de quem nunca viu, mas por quem sempre torceu.
    Aquele Abraço,
    Helê

  21. olá, helê! que comentário mais fofo o seu. obrigada por torcer por mim e pelas palavras tão lindas. meu coraçãozinho agradece. bjs!

  22. oi, guga-pedreiro! que tal a gente falar da função do galho seco na vida sequissual do macaco, hein? essa é boa, né? rs. ah, e tem também aquela tua proposta de ‘trabalho’, mas aquilo eu acho que, se eu contar pro marcola, ele não deixa não. hahahahahahaha. bjs, lindo.

  23. marcola, meu amor!!!! deixaram você usar a net em bangu 1? ai que coisa essa tecnologia. tenho que dar um beijo no carcereiro por deixar a gente viver nosso louco amor bandido, hahahahaha. a tese tá linda, gato. #tededico

  24. zé pequeno, como diz meu amado pai: penico e meio. hahahahahahaha. tô que não me aguento [mentira!!!]

    bjs

  25. hellen, podemos combinar todos os chás e almoços chiques do mundo agora. sou uma escrava forra, tá ligada? bjs!

  26. queridona, parabéns. estava ansiosa aqui pra saber se tinha rolado crueldade ou não – hahahaha – no seu ritual. que bom que foi bom para vc :-)))

  27. PARABÉNS Dôtora!!!!!!!!!!!!!!!!
    Ufa, q alívio né?
    beijos

  28. Parabéns, de novo, Doutora Cris!
    Tão bom não ter mais tese pra escrever. E é mto bom ver que todo o seu sofrimento valeu a pena, ja que a banca so te elogiou:) Viu? Passou:)
    Beijos

  29. E Dotôra!! Já te conheci no final da reta mas acompanhei como a estirada foi comprida e sofrida. Você mereceu mesmo cada elogio, cada sentimento de ter sido fácil porque se preparou tão bem! Parabéns Cris e boa sorte nos novos planos que vêm por aí 😉

  30. hahahahaha, oi, angela. sim, eles foram muito legais. pra mim foi ótimo. quando vai rolar outro chopp, hein? [sem saídas à francesa, plis, hahahaha]

    ju, obrigada, linda. agora acho que já posso visitar minha irmã, rs.

    tatinha, minha flor, que saudades tuas. nem eu acredito que passei tão bem. agradeço todo o teu apoio, mesmo de tão longe.

    lelei, eu exagerei um pouco na dose de sofrimento. mas se não fosse assim não seria eu. eu sou drama queen mesmo. faz parte do pacote, hahahahaha. obrigada por todo o carinho. beijosssss!!

  31. monica

    Parabéns pela tese, pela defesa e por tudo mais.
    Bjs,
    Mônica

  32. madoka

    Cris,
    nem te conheço pessoalmente, mas blog é algo assim muito louco né? certa proximidade, sei lá.
    Enfim, fiquei emocionada também, mesmo. Parabéns pela sua conquista, batalha ganha Dra.
    um gde abraço
    madoka

  33. Oiii. Só pra te dar um abração e parabenizar pela vitória. Um beijo bem totoso, doutora ^^

  34. obrigada, karol querida. muito fofa você. um beijinho

  35. madoka, que honra saber que você, aí do outro lado do mundo, pensa nessa pessoa aqui e nas conquistas dela. isso é tão bacana. já construí muitas amizades legais assim, pela proximidade que a internet ajuda a construir. quem sabe um dia a gente não se encontra no meio do caminho e aí você me dá os parabéns pessoalmente? tudo é possível. beijos!!

  36. obrigada, moniquinha. o ‘tudo mais’ eu ainda estou construindo, mas aos poucos eu chego lá. bjs!!!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s