Oi, tudo bem?

Isso deveria ser um daqueles textos de apresentação, sabe, falando de como esse blog poderá influenciar a sua vida e contribuir para tornar o seu cotidiano menos monótono blá, blá, blá, blá.

Nada disso (aqui eu gostaria de inserir um palavrão, mas meus pudores – os poucos que ainda me restam – me impedem). Eu ando cultivando a baianidade em minha vida (podem me xingar e dizer que esse estereótipo de preguiça ofende os baianos e tals) e ‘preguiça’ é a palavra de ordem por aqui. Quer dizer, ‘preguiça’ em termos, só para algumas coisas. Para vocês entenderem, deixa eu contar o que andei fazendo desde que resolvi dar cabo do meu Eu Profundo.

Tentando resumir a ópera. Descasei pela segunda vez, mudei de casa, passei uns perrengues, experimentei umas coisas novas por aí (quem pensou em drogas ilícitas errou feio, hahahaha), trabalhei igual escrava, me apaixonei e desapaixonei, me apaixonei de novo, conheci gente nova, me decepcionei com alguns, outros tornaram-se amigos de infância, comecei a namorar. Continuei namorando. Ufa. Tudo isso num espaço de menos de nove meses.

Finalmente, quando eu achava que iria ter que apelar pro meu plano B (profissionalmente falando), eis que sou aprovada em um concurso público. Para uma escola federal. Não é o salário dos meus sonhos e está longe de ser o que quero fazer para o resto da minha vida, mas for the time being, tá bom demais. Não paga todas as minhas contas, embora seja bem mais do que normalmente se paga a professores, e tem uma enorme vantagem: nenhum FDP vai poder me mandar embora. Tem plano de carreira, décimo terceiro, férias + um terço, FGTS, todas essas coisas que a classe média tanto gosta. E eu sou bem, bem classe média. Quero segurança, ainda que essa venha aliada à mediocridade. Gosto de cumprir horários, ter chefe pra me dizer o que tenho que fazer, essas coisinhas bem bobas. Não tenho o menor talento pra self-made woman. Preciso de tranquilidade e esse emprego aí parece que vai me dar um pouco.

Então, como a tempestade – ou parte dela – se acalmou, achei que podia voltar a escrever bobagens. Não esperem nada que preste disso aqui. Não tô nem aí pra conjuntura política, embora eu torça muito pelo Obama e tenha ficado de luto pela Marta (podem me tacar pedras, mas eu gosto da Marta, ouquei?). Aqui eu vou escrever abobrinhas. Vou falar da minha cachorra, das gracinhas da minha gata gorda e da minha corujice infinita pelo meu filho. Se você estiver por aí de bobeira, vou adorar trocar umas idéias. Sem polêmicas, sem encheção de saco.

Bem vindos à minha Quitanda.

Advertisements

4 responses to “Oi, tudo bem?

  1. Edu

    Tudo bem e você? Esta quitanda me dá uma fome…

  2. eduzinho, I love you, já te disse? beijos, amore

  3. meu, que blog bom!
    favoritei, já. 🙂

    bjs

  4. Carina

    Ganhou uma fã, e com historia de vida semelhante.
    bjs

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s